Diocese de Sobral - Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro - Reriutaba CE
Home » » Comunicação na Igreja: transparência para levar verdade de Cristo

Comunicação na Igreja: transparência para levar verdade de Cristo

Postado por Jardel Viana sábado, 21 de julho de 2012 | 05:10


O jornalista Carlos Alberto di Franco e a religiosa Élide Fogolari estão entre os participantes do 3º Encontro da pascom.
 
 
  O 3º Encontro Nacional da Pastoral da Comunicação (Pascom) foi aberto oficialmente na noite desta quinta-feira, 19, em Aparecida (SP). O jornalista e professor Carlos Alberto Di Franco ministrou a palestra de abertura.
Em entrevista, ele destacou que o melhor caminho para que a Igreja possa comunicar a verdade de Cristo é ela falar com clareza, abertura e transparência.

Este evento, que termina neste domingo, 20, busca justamente novas formas de trabalhar a comunicação para que esta seja um meio eficiente para a evangelização.

Ao falar sobre a necessidade de uma comunicação clara e simples, Di Franco, que também é diretor Internacional de Ciências Sociais da Universidade de Navarra, na Espanha, disse que a mensagem direcionada à juventude, por exemplo, tem que ser centrada na realidade em que esta se insere.

"Eu não posso falar com o jovem com uma cabeça de 20 anos atrás, sendo que o jovem hoje está em novas plataformas, ele é digital, está nas redes sociais, então eu tenho que falar com ele nas redes sociais. Eu tenho que ter essa perspectiva de que há uma mudança cultural profunda e passar a mensagem cristã com esse olhar de grande conexão com esse olhar de um mundo real e com o jovem real como ele é hoje e agora", disse.

Tão presentes na realidade não só juvenil, mas de todos os que acompanham as inovações tecnológicas, as mídias digitais trouxeram uma nova linguagem e um jeito de as pessoas se comunicarem. Para o jornalista, os agentes das Pastorais da Comunicação nas dioceses devem sim utilizar essas novas ferramentas com intensidade.

"É preciso comunicar com os elementos, as ferramentas que nós temos hoje que é a multiplataforma: mídia impressa, televisão, rádio, internet, redes sociais, tudo isso tem que ser utilizado pelos católicos grande vigor e entusiasmo", afirma o jornalista.
Ele destacou, porém, que essas novas ferramentas devem ser usadas com profissionalismo, o que também diz respeito à conduta dos agentes que atuam nesta pastoral.
"Os agentes de Pastoral de Comunicação da Igreja, sobretudo em sua relação com a imprensa laica, têm que dar respostas aos jornalistas. Às vezes o jornalista pergunta alguma coisa e a gente não responde, ou então responde contornando. Não temos que ocultar nem esconder. Falar com clareza, com abertura, com transparência é sempre o melhor caminho de comunicar a verdade de Cristo", enfatizou.

Mas a competência profissional não é tudo. Di Franco elencou outro aspecto importante para as pessoas que se propõem a trabalhar com a comunicação na Igreja: a espiritualidade.

"Se nós não temos espiritualidade, nós não temos o que dar. Ninguém dá o que não tem, só damos o que temos. As pessoas captam o que tem profundidade, o que tem raiz, o que tem coerência e o que não tem, daí a importância de se ter vida interior, espiritualidade", finalizou.


Formação para a Pascom


Se clareza e profissionalismo são necessários para que a Igreja possa exercer bem o seu papel de comunicar a mensagem de Cristo, antes é preciso entender a real identidade dessa comunicação.

"Muitas pessoas ainda não conseguem entender que quando nós estamos fazendo comunicação, seja na Igreja, numa sociedade, numa organização, nós estamos fazendo com a finalidade de promover o outro, de acolhê-lo e amá-lo, nós estamos fazendo Pastoral da Comunicação, estamos fazendo missão", foi o que explicou a assessora da Comissão Episcopal Pastoral para Comunicação Social da CNBB, irmã Élide Fogolari.

Ela acredita que a formação dos agentes que trabalham nas Pastorais envolve uma diversidade de fatores, mas o essencial é sempre estudar e se guiar à luz do Evangelho.

"Nós temos que nos debruçar, estudarmos muito e aprendermos muito dos profissionais. Mas depois nós temos que fazer o nosso viés. Refletirmos muito, sobretudo a partir da Palavra de Deus e olharmos para Jesus Cristo, ler a Bíblia sob a ótica da comunicação. Isso vai fazer a diferença de outros comunicadores. Precisamos ter Jesus no coração", destacou.

A religiosa acrescentou que é uma realidade o fato de restringirem o trabalho das Pastorais de Comunicação à manutenção de um site ou produção de informativos, mas enfatizou que o trabalho vai além disso.

"Isso é um dado que infelizmente existe, mas porque nós não conseguimos concretizar a comunicação na Igreja toda. Isso é apenas um fragmento. A Pastoral da Comunicação tem que ter os seus projetos, as suas ações, tem que ser organizada, envolver todas as pastorais e promover a Igreja dentro e fora da Igreja", salienta a religiosa.

Fonte: Canção Nova Notícias.
Compartilhe nossos Artigos :

0 comentários:

Queremos sua sugestão

Deixe seu'Comentário aqui... !

Seja Mais Você também um Dizimista

Seja Mais Você também um Dizimista

Papa Francisco

Papa Francisco

Bispo Diocesano

Bispo Diocesano

Nosso Pároco

Nosso Pároco

Nossa Padroeira

Nossa Padroeira

Liturgia Diária

Faça seu Pedido de Oração

Terço Online

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Proudly powered by Blogger
Copyright © 2011. Capela de São João Batista de Riacho das Flores - All Rights Reserved
Template Design by Creating Website Published by Mas Template